A Medicina Ortomolecular feita da maneira certa!

quarta-feira, 30 de março de 2016

Inclua a chia na sua alimentação


A semente da chia está na moda e atualmente é uma das mais indicadas para a complementação de diversas dietas. E essa pequena notável traz muitos benefícios para nosso corpo. As fibras presentes na semente causam a sensação de saciedade e auxiliam o funcionamento intestinal. Também possuem diversos nutrientes como cálcio, magnésio, manganês, fósforo, aminoácidos, polifenóis e o ômega 3.

A melhor forma de consumir a semente é por inteira, pois as fibras mucilaginosas estão na casca e no seu interior os nutrientes importantes como o, já falado, ômega 3, que oxida em contato com o ambiente caso triturado. Ela também possui compostos bioativos com forte ação antioxidante, combatendo a ação dos radicais livres que levam ao envelhecimento precoce e também resultam no desenvolvimento de algumas doenças.

A chia contribui com o controle do diabetes graças ao seu alto teor de fibras, que ajuda a melhorar a sensibilidade ao hormônio insulina, melhorando a glicemia pós refeição. As fibras tornam mais lenta a absorção dos açúcares pelo intestino, o que ajuda e muito a manter o açúcar no sangue controlado.

Apesar da forma mais nutritiva ser a utilização da semente por inteira, existem outras formas de consumo. A chia pode ser consumida, por exemplo, em forma de gel. Deixe uma colher de sopa da semente de molho em 60 ml de água durante aproximadamente 30 minutos. O ideal é consumir o gel assim que ele estiver formado.

Mas atenção, pois o consumo excessivo de chia pode levar ao aumento de peso e a constipação intestinal. Se a pessoa não beber água, a absorção dos minerais é retardada. São indicadas uma a duas colheres de sopa rasa ao dia, já que cada colher tem cerca de 60 a 80 calorias, o que equivale a uma fatia de pão.


Fonte: Webrun

segunda-feira, 28 de março de 2016

Os perigos das frituras (e motivos para largá-las de vez)



A falta de tempo (e de informação) faz com que os brasileiros consumam grandes quantidades de gordura diariamente. Mas o óleo quente, em ebulição, altera as propriedades do alimento, transformando-o em uma bomba de glicerídeos e ácidos graxos. Isto quer dizer que as gorduras insaturadas se tornam saturadas (e ruins para o organismo).  A seguir você confere alguns motivos para evitar frituras.

Um grama de gordura contém cerca de nove calorias. Imagine, portanto, a quantidade de calorias em uma porção de batatas fritas? Fez as contas? Sim, é bastante calórica. Então o primeiro fator de risco é a obesidade.

A fritura também é um dos maiores causadores de doenças cardiovasculares. Estudos comprovam que quem consome uma quantidade excessiva de gordura saturada diariamente aumenta o colesterol ruim e sucessivamente a probabilidade de desenvolver doenças no coração.

Além disso, a gordura saturada que é formada com o aquecimento do óleo cria uma substância cancerígena chamada acroleína. Quanto mais reutilizado o óleo, maior é a quantidade dessa substância. Por isso, passe longe dos pastéis de feira.

As fibras elásticas, que conferem firmeza, elasticidade e rigidez à parede arterial, são destruídas quando há consumo excessivo de fritura. O resultado é a degeneração e envelhecimento precoce. Ou seja: as temidas rugas aparecem bem mais cedo que o esperado.

A única maneira de converter essa situação é mudando os hábitos alimentares. Deixe as frituras e alimentos ricos em gorduras para ocasiões especiais. Mas atenção! Fim de semana não conta como ocasião especial, você deve comer frituras raramente! No dia-a-dia, prefira alimentos in natura, carnes magras, cereais integrais e muitas hortaliças.

Fonte: Dicas de Mulher

sexta-feira, 25 de março de 2016

Dicas para se livrar do vício em doces


Já ouviu falar de vício em açúcar? Pois ele existe! Uma nutricionista brasileira estudou a compulsão de mulheres por doces em sua tese de mestrado, apresentada na Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto. Ela acompanhou os hábitos de 57 voluntárias entre 20 e 45 anos, todas acima do peso. A mais surpreendente conclusão do estudo foi a de que sete a cada dez mulheres que estavam estressadas também tinham Dependência de Substâncias Doces (DSD), o nome científico para o vício em açúcar, aquela vontade louca de devorar uma caixa de bombons que não passa nem por decreto. Se você desconfia que também sofre desse doce mal, veja ao lado o que fazer.

Quase como uma droga

Além de devorar muitas guloseimas ao longo do dia, uma mulher dependente de substâncias doces precisa de cada vez mais delícias açucaradas. Isso porque o excesso de açúcar, a longo prazo, altera os hormônios que regulam o apetite, fazendo com que seja necessário comer quantidades sempre maiores para sentir satisfação.

Além disso, o açúcar atua da mesma forma que algumas drogas. Ele estimula a produção de dopamina no cérebro, substância que dá uma sensação agradável. É esse prazer que buscamos quando atacamos a sobremesa.

Assim como um fumante que deseja largar o cigarro, alguém que queira abandonar o vício em doces precisa de motivação para lidar com o açúcar de maneira mais equilibrada. Qual será o seu estímulo? Sentir-se melhor num jeans? Ser um exemplo para seu filho comer melhor? Não importa! Confira os quatro passos para diminuir a compulsão e transformar sua vida.


4 passos para se livrar do estresse e da compulsão

  1. Tente identificar o que a incomoda no dia a dia, o que a aflige tanto a ponto de levá-la a atacar os doces. Pare e faça um balanço da sua vida. Seu emprego lhe traz satisfação? Existe alguma frustração no lar? Uma boa ideia é elaborar uma lista por escrito.
  2. Após descobrir quais são as questões mais incômodas, tente resolvê-las. Escreva as possíveis soluções e coloque-as em prática. Uma terapia pode ajudar a repensar problemas mais complexos, como uma crise no casamento, por exemplo.
  3. O passo seguinte é mexer na alimentação. Mas não adianta tentar cortar os doces de uma hora para outra. Nem mesmo substituí-los por frutas: isso não funciona para quem é dependente. A dica é reduzir gradativamente a quantidade. Diminua um pouco por dia, mas sem desistir! Seu organismo precisa de persistência para se adaptar a uma nova rotina alimentar, com menos açúcar.
  4. Adote o hábito de fazer exercícios todos os dias. Apenas 30 minutos de caminhada já funcionam. Mas procure andar rapidamente, sem parar. Vista uma roupa confortável, calce um par de tênis e mexa-se depressa, sem papear.


Fonte: Ana Maria

quarta-feira, 23 de março de 2016

Xô gripe! Vitaminas que aumentam a imunidade



O inverno está chegando e nessa época é comum aparecerem doenças respiratórias, como a gripe. Elas são causadas principalmente pela baixa imunidade do organismo. Por isso, é essencial turbinar a alimentação com as vitaminas certas para manter uma saúde de ferro!

Vitamina C


Tem efeito anti-histamínico, que ajuda a reduzir os sintomas da gripe (como a congestão e a coriza). Estudos já mostraram que o hábito de ingerir vitamina C para tentar diminuir a duração da gripe pode funcionar, reduzindo em 8% o número de dias com sintomas em adultos e em 14% em crianças. 



Utilize as frutas, verduras e legumes ricos em vitamina C: acerola, frutas, limão, laranja, lima, kiwi, caju, tomates, morangos, folhas verdes escuras e pimentão verde.

Vitaminas do complexo B 


Aumentam a imunidade do organismo. Estão presente no levedo de cerveja, lentilha, arroz integral, gengibre, peixe, semente de girassol, soja, germe de trigo, banana, verduras verdes, abacate, galinha, gema de ovo e nozes.

Vitamina A 


Apresenta um papel muito importante na manutenção da integridade das membranas mucosas e para o sistema imunológico. Sua deficiência aumenta a probabilidade de infecções bacterianas virais como a gripe. Procure consumir: cenoura, abóbora, batata doce, milho, damasco seco, brócolis, melão, mamão, entre outros.

Vitamina E


Tem grande capacidade antioxidante e interage com as vitaminas A e C e com o mineral selênio, reforçando ainda mais suas propriedades. Sua função principal é proteger as membranas celulares contra os radicais livres. Ela está presente no germe de trigo, óleos vegetais, amêndoas, nozes, castanha-do-pará, gema, vegetais folhosos e legumes.

Zinco 


É um mineral muito importante para o sistema de defesa, pois faz parte de enzimas antioxidantes e sua deficiência resulta em diversas doenças imunológicas. Por isso, é comum encontrar nas drogarias pastilhas de vitamina C associadas ao zinco. Fontes de zinco são as carnes, peixes (incluindo ostras e crustáceos), aves, feijões e nozes.

Selênio 


Assim como a vitamina E, esse mineral possui grande capacidade antioxidante, ou seja, neutraliza a ação dos radicais livres no nosso corpo e ajuda a deixar a gripe bem longe. A castanha-do-pará é o alimento principal na fonte desse mineral.


Procure incluir ainda no dia-a-dia: gengibre, goiaba, melancia, maçã, inhame, folhas verdes escuras e alho.



Além disso, os líquidos são essenciais em casos de gripes, diluem o muco e ajudam em sua eliminação, melhorando sintomas de obstrução nasal e dor de cabeça, por exemplo. Beba bastante água, pelo menos 2 litros por dia.

Fonte: Vya Estelar 

segunda-feira, 21 de março de 2016

Cuidado com alimentos que podem sabotar a dieta


Um dos principais fatores que auxiliam em uma dieta bem sucedida no dia a dia é a mudança dos hábitos alimentares. Para perder peso com saúde, é importante o aumento do consumo de alimentos nutritivos e saudáveis, ricos em vitaminas e minerais, como frutas, verduras e legumes. Além disso, a redução do consumo de alimentos industrializados ricos em gorduras e açúcar também é indispensável.

Porém, apesar de manterem uma alimentação saudável, é comum vermos pessoas que não conseguem alcançar o objetivo de perder peso com sucesso. Isso acontece porque algumas comidas consideradas “magras” também podem sabotar a dieta, se consumidas em excesso. Confira quais são para evitar que sua dieta seja prejudicada:

Granola
Um alimento considerado saudável e muito consumido como lanche da tarde ou antes de ir para a academia, é a granola. Ela é um mix de cereais, castanhas e frutas secas rica em vitaminas e fibras, que ajudam a saciar o organismo e, ainda, oferecem energia para o corpo. Porém, o alimento também contém açúcar em sua composição, podendo levar a dieta por água abaixo. O ideal é consumir as versões light e diet do produto e, também, ingerir somente pela manhã, para que as calorias sejam queimadas ao longo do dia.

Salada
Você sabia que consumir salada de forma errada engorda? Prato preferido das mulheres quando o assunto é emagrecer, ela pode prejudicar, e muito, a dieta se for consumida com alimentos e ingredientes altamente calóricos, podendo, inclusive fazer com que você ganhe mais peso. Molhos, queijos e croutons devem ser evitados como acompanhamentos da salada.

Comida japonesa
A comida japonesa costuma ser muito procurada por pessoas que querem uma alimentação mais leve e saudável. Porém, alimentos como o sushi, por exemplo, parecem light, mas não são. Eles podem se tornar bombas calóricas devido a recheios como o cream cheese e o arroz e, além disso, as vezes são servidos em versões fritas. 

Refrigerante light ou zero
Se engana quem pensa que consumir refrigerante light ou zero vai conseguir sucesso na dieta. Apesar de não possuírem calorias, a bebida possui adoçante em sua composição e, quanto maior o consumo de adoçantes, maior o desejo por doces. Além disso, refrigerantes são extremamente prejudiciais para a saúde e favorecem o surgimento das temidas celulites.


Fonte: Bem Leve

sexta-feira, 18 de março de 2016

5 alimentos para uma pele saudável



Todo mundo sonha com uma pele bonita e radiante. Mas são só os tratamentos estéticos e a proteção solar que garantem o viço e a juventude da pele. A alimentação é essencial para a saúde dos tecidos, e por isso hoje eu vou dar a dica de 5 alimentos para te ajudar a ter uma pele perfeita:

Manga

A manga é uma excelente fonte de betacaroteno, que é convertido em vitamina A pelo organismo. Essa vitamina é essencial para manter a pele mais saudável, pois ajuda a reparar os tecidos da pele e reduzir a inflamação quando exposta à luz solar. A manga também tem efeito antioxidante (retarda o envelhecimento cutâneo).

Iogurte

O iogurte é uma boa fonte de proteínas e contém probióticos, bactérias que residem no intestino e o regulam, ajudando a iluminar a pele. Além disso, consumir iogurte ajuda atenuar as olheiras e mantém uma camada protetora invisível na pele que ajuda a protegê-la das agressões externas. 

Amêndoas

As amêndoas são ricas em vitamina E, antioxidante que ajuda a proteger as células dos danos causados pela luz solar, evitando o envelhecimento da pele e combatendo o seu ressecamento. Mas evite o consumo exagerado, pois a amêndoa é rica em calorias, o que pode acabar gerando alguns quilos a mais.

Laranja

A laranja é uma fruta rica em vitamina C, um antioxidante que ajuda a proteger as células da pele, neutralizando os radicais livres, retardando o envelhecimento e prevenindo doenças. Ela também é responsável pela produção de colágeno, que ajuda a prevenir a pele de flacidez e rugas. 

Linhaça

A linhaça é uma boa fonte de ácidos graxos do tipo ômega 3, substâncias responsáveis pela reparação da pele e que ajudam a construir as membranas flexíveis das células. A casca da linhaça é rica em minerais, proteínas e vitaminas A e E, principais fontes para um bom funcionamento celular e que evitam o envelhecimento precoce e as doenças degenerativas.


Fonte: Dicas de Mulher


quarta-feira, 16 de março de 2016

Farinha de Banana Verde ajuda a controlar a saciedade



A banana é um alimento indispensável na mesa do brasileiro, muito apreciada tanto pelo sabor quanto pelos seus benefícios. Fonte de fibras, vitaminas C e do complexo B e minerais como o magnésio e potássio, a banana ajuda a controlar problemas digestivos (como a gastrite), tensão pré-menstrual (por ativar a produção de serotonina, o “hormônio do humor”) e cãibras (devido ao potássio).

Mas vocês sabiam que a banana também pode ajudar na dieta? Todos os benefícios da fruta podem ser mais bem aproveitados quando ela ainda está em fase de maturação, isto é, verde. Por isso a farinha de banana verde é um ótimo suplemento diário.

A banana verde é rica em amido resistente, um carboidrato semelhante à fibra solúvel, e que possui o mesmo benefício: ela passa pela digestão sem sofrer “quebra”, e por isso traz a sensação de saciedade. Você se sente “cheia” por mais tempo.

Mas é claro que comer a banana ainda verde não é nada agradável. Por isso foi criada a farinha de banana verde, que pode ser consumida pura, diluída em água, ou em conjunto com frutas e outros alimentos.

De sabor neutro, ela pode também ser usada para substituir a farinha de trigo em receitas. Para o consumo diário, a quantidade recomendada é de 10 gramas (uma colher de sopa). A farinha de banana verde é vendida em lojas de produtos naturais e farmácias de manipulação.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Os benefícios da cebola para a saúde


A cebola é conhecida há mais de cinco mil anos e é considerada um alimento funcional, ou seja, possui nutrientes e substâncias capazes de prevenir e minimizar os sintomas de uma série de doenças, como diabetes, hipertensão e problemas cardíacos.

A cebola também é rica em nutrientes como ferro, potássio e fibras. E ainda possui ação antialérgica e anti-inflamatória, além de promover benefícios, inclusive para pele e cabelo. O consumo pode ser feito diariamente, seja como tempero ou na salada, crua ou cozida, em sopas, refogados e em vários tipos de pratos. Conheça alguns benefícios desse poderoso alimento:
  • Eficácia na redução dos níveis de açúcar no sangue, por isso o consumo é recomendado para diabéticos;
  • Redução dos níveis de colesterol prevenindo doenças cardiovasculares;
  • Diminuição na pressão arterial, por isso o consumo é indicado para hipertensos;
  • Ajuda a evitar o risco de tromboses;
  • É utilizada para diminuir sintomas de gripe, resfriado, asma e infecções virais, pois possui ação antialérgica e anti-inflamatória;
  • Por ser um alimento rico em antioxidantes e vitamina C, A e E, a cebola também traz benefícios para a pele e cabelos;
  • Contém Fósforo: responsável por garantir energia ao organismo;
  • É fonte de Potássio: ajuda no controle da pressão arterial;
  • Rica em Magnésio: favorece o relaxamento;
  • Contém Fibras: auxiliam no funcionamento intestinal;
  • Possui Inulina: substância que ajuda a manter as boas bactérias do intestino e promove uma melhora na imunidade;
  • E contém Alicina: substância funcional da cebola que possui propriedades anticancerígena, antibacteriana, antimicrobiana e anti-inflamatória.

Fonte: Dicas de Mulher

sexta-feira, 11 de março de 2016

Chocolate amargo: delicioso e um aliado da saúde


Se você é chocólotra(o) assumida(o), vai gostar da notícia: o chocolate amargo, além de uma delícia, faz bem para a saúde do coração e ajuda a combater o estresse. Os chocolates ao leite, por sua vez, devem ficar fora da sua dieta. Hoje vamos entender por que esta sobremesa virou queridinha entre os nutricionistas.

Pesquisas realizadas na Universidade de San Diego (EUA) submeteram voluntários a comer algumas gramas de chocolate amargo todos os dias, durante uma quinzena. O resultado foi uma baixa nos níveis de glucose e de LDL (colesterol ruim), e um aumento no HDL (colesterol bom). Além deste experimento, estudos e outras pesquisas também reforçam estes benefícios e mais: o consumo de chocolate amargo combate o acúmulo de placas de gordura, ajuda no controle da pressão arterial e do fluxo sanguíneo. Todavia, os benefícios só valem para o chocolate que tiver acima de 70% de cacau e precisa estar incluso em uma alimentação balanceada.

Ademais, a iguaria também tem efeito antioxidante. Os responsáveis por estes benefícios são os flavonoides, antioxidantes naturais. Além de agir contra o envelhecimento, o chocolate amargo é fonte importante de potássio e magnésio, minerais envolvidos principalmente na força muscular. Porém, não se esqueça: a sobremesa é uma fonte rica de calorias! Uma barra comum, de 170g por exemplo, tem 816 calorias. Por isso, não exagere na dose! 40 gramas três vezes por semana são mais do que suficientes para obter todos esses benefícios sem comprometer suas medidas.



Fonte: Revista Viva Saúde

quarta-feira, 9 de março de 2016

Invista nos alimentos que diminuem o colesterol


Mudar a alimentação é fundamental para o tratamento do colesterol alto. Alterações na dieta reduzem o LDL (colesterol ruim) em 10%, o que pode ser suficiente para baixar o risco de infarto e acidente vascular cerebral (AVC) - males associados a taxas elevadas dessa gordura. Quedas maiores só são obtidas quando a dieta está muito distante das recomendações. De qualquer forma, cuidado com a gordura saturada. Encontrada em carnes gordas, pele de frango, bacon, embutidos, banha e laticínios integrais, é uma fonte perigosa de colesterol. Procure limitar seu consumo a 10% do total de gorduras. Prefira carnes magras e gorduras saudáveis, como as monoinsaturadas (azeite, nozes e amêndoas) e as poli-insaturadas (peixes de águas profundas).

O exagero de óleos vegetais nos produtos refinados e multiprocessados também não é bem-vindo. Pode induzir a inflamação nas artérias e degradar o colesterol. Também fique longe das gorduras trans (gordura vegetal hidrogenada). Elas fazem subir o mau colesterol e cair o bom (HDL). Já frutas, verduras e legumes merecem lugar à mesa: suas fibras ajudam a derrubar o colesterol e seus antioxidantes impedem a degradação dele. Veja os alimentos que ajudam a normalizar as taxas:

Aveia
Rica em fibras, diminui a absorção do colesterol.
Dose: 2 colheres de sopa por dia.

Azeite extravirgem
Fonte da saudável gordura monoinsaturada.
Dose: 2 colheres de sopa por dia.

Soja
Rica em fitoesteróis (componentes também encontrados em óleos vegetais e margarinas enriquecidas).
Dose: 25 g (ou 2 colheres de sopa) de proteína de soja ou 20 g de margarina com fitoesteróis por dia.

Sardinha (e outros peixes de águas profundas)
Fonte de ômega-3, diminui a formação de coágulos, que obstruem as artérias.
Dose: 1 porção 3 vezes por semana.

Linhaça
Rica em ômega-3 (embora nem tanto quanto o óleo de peixe), ainda tem fibras e fitoesteróis.
Dose: 2 ou 3 colheres de sopa por dia.

Abacate
Ótima fonte de ácidos graxos mono e poli-insaturados.
Dose: 4 colheres de sopa 3 vezes por semana.

Chá verde, café e chocolate amargo
Contêm antioxidantes, que protegem contra a degradação do colesterol.
Dose: 3 xícaras diárias dos dois primeiros e 30g do último.

Vinho tinto
Tem efeito anti-inflamatório. Além disso, o antioxidante resveratrol, presente na casca da uva, protege as artérias contra agressões.
Dose: 1 taça (120ml) por dia.


Fonte: Boa Forma

segunda-feira, 7 de março de 2016

A lentilha e o seu efeito detox e anti-colesterol


Não é só nas festas de fim de ano que você deve se lembrar da lentilha! A leguminosa é uma ótima opção para substituir o feijão de vez em quando. Em comparação a ele, a lentilha tem mais fibras e minerais, como fósforo, selênio e potássio, além de mais proteínas. Confira abaixo alguns benefícios da lentilha e por que você deve apostar nela para ficar em forma:

1. Controla o colesterol
A lentilha é rica em fibras solúveis e insolúveis. As primeiras estão relacionadas com o balanço dos níveis de insulina, regulação da glicose e do colesterol. As segundas, com a regulação intestinal.

2. Protege o coração
As lentilhas são amigas do peito. O magnésio contribui para a redução da pressão arterial e o risco de trombose, além de ajudar a proteger as artérias e controlar arritmias.

3. Limpa o organismo
Esses grãos também têm poder alcalinizante, o que ajuda a equilibrar e desintoxicar o corpo.

4. Melhora o humor
Além de magnésio, a lentilha tem o aminoácido triptofano. Juntos, eles participam da produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar.

5. Fortalece a saúde
Ela também é boa fonte de ferro, importante para as células do sangue transportarem oxigênio pelo corpo. Também aumenta a resistência às infecções e evita a fadiga.

Mas atenção: pessoas que têm intolerância digestiva à lentilha ou que precisam controlar o consumo de proteína por causa de doenças renais, hepáticas (do fígado) ou em casos de crise de gota devem evitar o consumo desses grãos.


Fonte: Viva!Mais

sexta-feira, 4 de março de 2016

Alho: tempero saudável que ajuda a emagrecer


O alho é um dos principais temperos da culinária brasileira, sendo utilizado para a preparação de arroz, saladas, cozidos e assados. Além de agregar sabor aos alimentos, a raiz possui uma série de propriedades nutritivas que trazem benefícios para a saúde.

Estudos mostram que as propriedades do alho podem prevenir e tratar doenças, das mais simples às mais complexas. É possível ter a diminuição dos níveis de colesterol no sangue, redução moderada da pressão arterial e inibição da agregação de plaquetas.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Ciência Weizmann, de Israel, mostrou que a alicina é o nutriente capaz de gerar diversos benefícios para a saúde. O componente líquido, que dá o cheiro característico ao alho e é criado ao esmagar a raiz, funciona como um bactericida natural ao combater infecções causadas por bactérias, germes e vírus – como o da gripe.

Os agentes presentes na alicina também combatem o colesterol ruim, aumentando a saúde arterial e diminuindo os riscos de bloqueio das veias.  O alho possui ainda ação antioxidante, que combate os radicais livres prevenindo contra  tumores, infarto e envelhecimento das células. 

De acordo com um estudo publicado pelo Jornal de Nutrição norte-americano, as propriedades do alho podem auxiliar na diminuição da massa corpórea. Isso acontece porque o alho possui características termogênicas, que auxiliam no processo de digestão e na aceleração do metabolismo. Quando isso acontece, aumenta o número de calorias queimadas durante o dia e, consequentemente, diminui-se a gordura corporal. 

As propriedades dos alimentos são conservadas quando consumidas ao natural, então, a melhor maneira de aproveitar os benefícios do alho é ingerindo cru em saladas. Quando há intenção de utilizar como tempero para outros pratos, cozinhar com pouca água é a melhor opção para aproveitar seu valor nutritivo.  


Fonte: Daqui Dali

quarta-feira, 2 de março de 2016

Pipoca fit: aprenda a fazer um lanche mais saudável e rico em fibras


A pipoca deixou de ser uma vilã para a dieta, recheada de calorias, e passou a ser mocinha. Para quem não sabe, ela é rica em fibras, antioxidantes e seu carboidrato é queimado lentamente pelo organismo, ou seja, é uma excelente fonte de energia pré-treino.

O segredo para deixá-la mais magrinha está no seu preparo. As pipocas de micro-ondas são ricas em gorduras. Cada 25 g tem cerca de 10% de gordura e 100 calorias, mesmo as light. A ideia então é apostar na versão de panela ou de micro-ondas caseira, com menos óleo. Para prepará-la, coloque uma xícara de milho em um saco grande de pão, amasse um pouco e leve ao micro-ondas em potência alta por aproximadamente três minutos. Quando o tempo entre cada estouro ultrapassar dois segundos, é hora de desligar.

Além dessa receita ser menos calórica (cerca de 70 calorias por porção), dá para incrementar com outros ingredientes. Ao invés de apenas sal, utilize temperos como orégano, alho torrado e açafrão.


Fonte: Viva Saúde